close
Investimentos

8 taxas que você precisa saber antes de investir

Muitas pessoas pensam que o investimento é reduzido a apenas tomar uma quantia em dinheiro, jogando no colo de um gerente de banco e esperando que eles retornem à conta pelo menos um pouco maior do que antes. Só não é assim.

Na prática, o investimento exige mais alguns passos, mas isso não indica necessariamente que seja mais difícil. Uma questão que muitas pessoas ignoram e depois têm uma surpresa muito desagradável, é em relação aos custos e taxas para investir.

Você conhece a máxima de que não há almoço grátis? Bem, podemos ver isso acontecendo na prática no mercado financeiro também. Mas não se desespere e decida que, a partir de agora, você só deixará seu dinheiro reservado na poupança.

Lembre-se que todo mundo está acertando a chave que os interesses de poupança são ruins? Bem, em muitos casos, mesmo pagando impostos e taxas, o retorno de alguns investimentos pode ser maior que o do notebook. Bora saberia melhor cada um desses custos?

1) taxa de custódia

A B3, nossa bolsa de valores brasileira e que até recentemente se chamava BM & F Bovespa, é responsável pela cobrança dessa taxa. E por que ela faz essa acusação? Para cobrir os custos de salvar os títulos e informações e os movimentos de cada conta.

Esta taxa é a mesma para todos, corretores e bancos, e é cobrada a cada semestre, nos primeiros dias úteis de janeiro e julho. Tesoureiro direto, ações e contratos futuros são alguns dos investimentos que podem pagar a custódia. A boa notícia é que algumas instituições financeiras isentam o investidor dessa taxa, absorvendo o custo para si e deixando o bolso daqueles que investem um pouco mais.

2) taxa de administração

Pense apenas: o receptor de um edifício é geralmente remunerado ou, pelo menos, tem um desconto na taxa de condomínio por causa de seus serviços, não é? A taxa de administração funciona mais ou menos assim, uma vez que é cobrada para pagar os serviços de uma corretora ou banco na gestão de um investimento.

É muito comum em fundos mútuos, já que nesses casos há um gerente que é responsável pela administração e desempenho do fundo. Então, nada mais justo do que pagar por isso, certo? Bem, nem sempre. É que algumas instituições podem cobrar valores muito altos pelo serviço, o que pode prejudicar (e muito!) Os retornos que vêm no bolso dos investidores.

Deve ser lembrado que a taxa de administração não é exclusiva dos fundos de investimento. Quem investe em CDB, LCI, LCA e no Tesouro Direto, especialmente, também pode ter que pagar com esse custo. Por essa razão, uma boa ideia é procurar instituições financeiras com taxa zero nesse aspecto.

3) Taxa de retorno

Outra taxa que geralmente aparece em fundos mútuos e é cobrada como forma de recompensar o desempenho alcançado pelo gerente. Ou seja, é como se o investidor pagasse um bônus à administração do fundo quando o investimento rendesse acima do esperado.

Apesar de ser um bom incentivo para o gestor dar o seu melhor e obter excelentes retornos para o fundo, por outro lado esse incentivo deve ser visto com cautela. No final, para aumentar a renda pode ser necessário arriscar mais, e aí as chances de ter prejuízos para o fundo também aumentam.

4) Taxa de corretagem

Este é um grande conhecido que investe na Bolsa de Valores. O valor cobrado pode ser uma taxa fixa no final do mês ou taxas que afetam cada ordem de compra e venda, por exemplo. Eles também podem variar de corretagem para corretagem porque alguns preferem cobrar valores fixos e outros geralmente cobram porcentagens sobre o valor negociado.

Então, a principal pista aqui é: pesquise bem entre as opções de seu interesse para encontrar uma instituição financeira que ofereça um bom serviço sem cobrar um valor abusivo por ela. Afinal de contas, é inútil usar um aplicativo de última geração, se a cada compra de ações que você fizer, seu bolso sofrerá por isso.

5) taxa de carga

Esta taxa é muito comum em aplicações de previdência privada e fundos de investimento. É uma porcentagem cobrada sobre o valor de cada pedido feito. Você já percebeu o problema aqui?

Isso significa que, sempre que houver mais dinheiro nesse investimento, você paga uma porcentagem. Em alguns casos, a taxa também é cobrada quando a portabilidade é feita (por exemplo, quando você altera seu plano de pensão privada para outro banco) ou o resgate do valor aplicado.

6) Emolumentos

É uma taxa cobrada pelo próprio B3, por cada operação de compra e venda de ativos. A coleta é feita através de uma porcentagem do valor negociado.

A taxa de emolumentos pode variar de acordo com o tipo de operação (se durou menos que ou mais de um dia), o tipo de ativo (se é ação ou contrato futuro), o tipo de investidor (se é um indivíduo ou fundos e clubes de investimento) eo valor investido.

7) Imposto de renda

Algumas modalidades de investimento estão isentas para Pessoa Física, como a famosa poupança e as Cartas de Crédito Imobiliário ou Agronegócio (LCI e LCA). No entanto, a isenção nem sempre é sinônimo de melhores resultados.

Em alguns casos, mesmo pagando IR, um investimento pode pagar mais do que um aplicativo isento. É por isso que é tão importante colocar tudo no papel. Alguns investimentos de renda fixa que pagam IR são o Tesouro Direto e a CBD. Nestes casos, as alíquotas são regressivas. Ou seja, se você resgatar o dinheiro com menos de 180 dias, pagará mais impostos do que se deixar o dinheiro que pagar por mais de 720 dias.

No caso de investimento em ações, o cálculo do IR é diferente. Existe isenção para Pessoa Física se o volume de vendas no mês for inferior a R $ 20 mil. Se o volume for superior a R $ 20 mil, por outro lado, será necessário pagar 15% do lucro líquido até o último dia útil do mês seguinte.

Para operações de Day Trade (que começam e terminam no mesmo dia) e contratos futuros, é necessário declarar o IR mensalmente, independentemente do valor negociado, e pagar 20% sobre o benefício. A boa notícia é que a Receita Federal nos permite descontar eventuais danos. Ou seja, se você fechar um mês com resultados negativos, esse valor poderá ser deduzido do benefício do mês seguinte.

8) IOF

Outro imposto que pode ter impacto em alguns tipos de investimento é o Imposto sobre Operações Financeiras. No entanto, você só deve pagar quando o investimento for resgatado com menos de 30 dias.

Ou seja, se você investiu hoje no Tesouro Direto e, por alguma razão de emergência, precisou recuperar o dinheiro antes de 30 dias, terá que pagar uma porcentagem do IOF. Esse percentual varia de acordo com o número de dias que a aplicação durou, sendo que quanto menor a duração do investimento, maior o percentual a ser pago.

É por isso que é tão importante investir seguindo um plano. Portanto, não há risco de pagar mais taxas do que o necessário. Mas você não precisa se preocupar, porque após 30 dias, sua inscrição estará isenta de IOF. Além do Tesouro Direto, essa taxa refere-se a Certificados de Depósito Bancário, Letras de Câmbio e alguns fundos de investimento.

Depois de ler isso tudo foi desencorajado de investir? Não é assim. Este artigo foi feito para alertar as pessoas que estão sendo descobertas e para evitar que você tome um susto com a declaração do seu investimento.

E você sabe o que é melhor? Com a crescente democratização dos investimentos no Brasil, corretores e bancos estão baixando custos e oferecendo vantagens legais para que você possa começar a investir.

Leave a Response